26 janeiro 2014

Bastardos da modernidade: Filhos da Pãe

Olá queridos e amados leitorxs!

Hoje venho falar de algo que eu não entendo direito e que vivencio no meu cotidiano já faz 10 anos e a um ano e seis meses vivencio duplamente isso, ou seja, sou mãe solteira de duas meninas. Nunca escrevi sobre essa condição justamente por não entender muito bem algumas coisas e sempre cheia de perguntas que nunca consegui responder pra mim mesma, porém uns meses atrás conversando com uma amiga no celular (ela é mãe solteira também), ouvindo e reclamando sobre as mesmas coisas que envolvem nosso universo de mães solo, consegui entender um pouco mais, foi uma benção, devo isso a todas nós que diariamente lutamos sozinhas por nossas crianças. Fui pesquisar nas bases nacionais de dados científicos algo que mostre um pouco a fala dos homens pais solo sobre a temática, não achei nada que pudesse me ajudar a sanar minha iluminação sobre o tema.

Pessoas a maioria de nós que vivemos essa realidade de criar os filhos sozinhas temos algumas reclamações em comum, e as mais recorrentes são:

Porque os digníssimos pais não se importam da maneira como deveriam com os filhos?

Porque não assumem e não dividem a responsabilidade da criação dessas crianças com a mãe?

Porque pagam pensão de esmola para os filhos e na maioria dos casos, temos que recorrer à justiça pois nem o pai da criança e nem a família paterna ajudam em nada?

Porque eles acreditam que tudo tem que ficar nas nossas costas, sendo que na hora de fazer é feito em dupla?

Porque a sociedade vê isso da mãe cuidar e assumir tudo com naturalidade e inclusive protege o homem e a gente passa de louca e depressiva?

Fiquei pensando em como era antes do ECA, em que eles não eram obrigados a assumir a cria, era uma criança bastarda, é meninas antigamente se engravidássemos e o homem não casasse, muitas meninas de bem foram expulsas de casa, tornaram-se prostitutas e os filhos nunca assumidos por nenhuma das famílias, pois bem, sinto informar queridxs, nós e nossos filhos somos vítimas sociais desse mesmo mal, o que muda na época em que vivemos são os direitos da criança e o teste de DNA, juridicamente a coisa mudou ainda bem, é uma forma de cair preconceitos e comportamentos sociais injustos, mas infelizmente a sociedade mudou muito pouco, maioria de nós sofremos com esse passado remoto, pois justamente a sociedade educa seus filhos que filhos fora de casamento não merecem vincular com a família, que não podem fazer parte de tudo que na verdade deveria ser de direito da criança e o pior é um acordo tácito, invisível, que nem mesmo os homens e muito menos as famílias desses monstros conseguiriam admitir nem pra eles mesmos isso e aí queridos, temos que recorrer à justiça justamente para obrigar esses “pseudos” pais à se responsabilizar pelo menos pela parte financeira, que na maioria das vezes entendem que estão dando dinheiro para a mãe, sendo que o dinheiro é da criança, pagam misérias de pensão, fazem de tudo pra não garantir uma vida digna ao filho que inconscientemente julgam como bastardos. Queridos essa questão é muito séria e precisar ser revertida.

Recado aos pais solteiros: Não se cria e educa filho somente no final de semana ou uma vez por mês, pai e mãe de verdade estão em todos os momentos com os filhos e jamais os abandonam e o que a maioria dos pais solteiros e suas famílias fazem questão de fazer, é pular fora do cotidiano das crianças e sempre a culpa recai sobres a mães solo, pois esta, luta pelos direitos dos filhos, são elas que cuidam em todos os momentos e a parte dos homens frouxos, elas precisam fazer também.


Bom acho que é isso meninas queridas, fortaleçam seus corações e continuem lutando e fazendo, nossas crianças são maravilhosas.

07 janeiro 2014

SEXO: A maior negação da humanidade.

Olá pessoal, tudo bom com vocês?

Hoje venho com um texto novinho em folha, resultado de alguns meses de reflexão sobre o tema, mas chega uma hora que surge a necessidade de transformar em texto e dividir com vocês. Tenho refletido muito sobre sexo, sexualidade, nudez e como isso é visto por algumas pessoas, não digo todas, pois cometeria uma injustiça afirmando tal coisa, portanto consegui entender uma coisa muito bacana disso tudo e essa é a pegada do texto.

Queridos em vários momentos eu observo pessoas falando que o Freud não tem validade, porque tudo para ele é sexualidade, mas a maioria das pessoas não entendem ou acham que entendem sobre Freud e sobre como a psicanálise foi desenvolvida e o modelo psicodinâmico para entender a psique, mas não quero entrar no mérito da questão.

Em vários momentos vejo as pessoas com vergonha de falar sobre sexo genital e negando que as crianças possuem sexualidade, a meu ver é algo natural e parte essencial de nossa natureza primitiva/humana e hoje chego à conclusão que esse bloqueio em falar sobre sexo e sexualidade tem algo em comum com o ato de negar que somos animais, é como se isso nos afastasse de nossa natureza mais primitiva, dentre outras coisas que em sociedade é vergonha, como: arrotar, evacuar, gases.

Atualmente ao mesmo tempo que as mulheres colocam silicone e não amamentam (amamentar é primitivo) , antigamente a prótese era para pessoas que precisavam retirar a mama por adoecimento, hoje em dia existe a inseminação artificial e outros métodos, que a princípio era uma forma de casais inférteis conseguirem ter filhos e hoje em dia fica mais explicito a necessidade de negar o sexo, pois pessoas férteis fazem inseminação artificial, enfim outra negação ao estado primitivo é a cesariana que antigamente era pra partos de risco e atualmente qualquer mulher que tem convênio aqui no Brasil pode marcar a cesárea no momento que decidir, a mulher desacredita da sua capacidade de parir e nega tudo ou melhor o sistema de produção força à descrença em sua capacidade primitiva de parir.

Pessoas aconteceu uma coisa comigo anos atrás e foi um dos momentos mais especiais da minha vida, foi quando me dei conta de que tudo no mundo acaba trombando na sexualidade e no desenvolvimento dela, pra existir humanidade é necessário que um macho e uma fêmea da mesma espécie copulem e daí a barriga cresce, a gente nasce por um órgão genital  e aí o alimento essencial (o colostro e o leite materno) vem de onde mesmo? Do seio da fêmea que deu à luz ao bebê, sendo que o seio é um órgão de prazer genital também, que atualmente é negado também ou turbinado só para virar vitrine.

Bom deixo vocês com essa reflexão e com duas músicas do Ultraje a Rigor, prestem atenção no comentário do Pedro Bial no início.