27 setembro 2010

Em nome de “todas” as vinganças e desejos passionais...

Olá pessoal!!!

Acho que todo mundo já passou por algo assim, seja homem ou mulher, afinal, isso faz parte de nossos desejos mais primitivos. A sede de vingança permeia a vida humana desde a tenra infância, seja nas relações sociais ou afetivas, pois possuímos a agressividade desde que nascemos. Quando o bebê tem alguma necessidade fisiológica ou afetiva, seja por estar faminto ou carente, automaticamente, torna-se ranzinza com a pessoa que zela por ele, ou seja, chora, esperneia, deixa a pessoa quase louca, até conseguir o que desejava.

Isso tudo acontece com todos nós de outras maneiras depois que crescemos, somos vingativos por natureza a partir do momento que nos sentimos ameaçados e injustiçados. Podemos não concretizar a vingança, mas é normal que ao sentir raiva, desespero e angustia, que as pessoas recorram à fantasia, como forma de aliviar os incômodos cotidianos.

Em alguns momentos de fragilidade, nosso pensamento nos remete ao caos, seja no trabalho, por ter um chefe injusto, na faculdade, por uma prova difícil que nos matamos de estudar ou com nossos amigos e relacionamentos afetivos. Mas não podemos sair por aí maltratando as pessoas, pois independentemente de qualquer situação que aconteça, ainda somos seres racionais, dotados de diversas ferramentas mentais que devemos utilizar nesses momentos de dificuldades.

Estou escrevendo sobre essa temática, pois a semana passada eu fui pra São Paulo e quase apanhei de uma senhora estressada na praça de alimentação de um Shopping. Estava eu e uma grande amiga almoçando e como e eu estava atrasada para pegar o ônibus para voltar pra Ribeirão. Deixamos nossas bandejas na mesa (sei que é falta de educação) e uma senhora pouco educada, apareceu do nada e começou a gritar comigo, falando que era para eu apanhar a bandeja e depositar no local indicado.

Automaticamente eu tentei entender o que ela estava falando e acabei indo embora e a deixei gritando, pois estava com pressa, não tive tempo de ficar na discussão. Provavelmente o motivo da raiva dessa senhora, não era culpa de uma bandeja, entendo que existe outras coisas que podem provocar a ira das pessoas, mas não uma bandeja numa praça de alimentação, eu acabei sendo o saco de pancada dessa senhora e fiquei com uma pulga atrás da orelha. Lógico que depois dei risada da situação, pois não sou de ferro, mas fiquei me perguntando sobre os desejos passionais.

Não acho justo e muito menos considerável perder a razão e sair fazendo tudo que der na cabeça, aliás já me dei muito mal na vida sendo impulsiva e hoje chego à conclusão que a melhor escolha é deixar na fantasia os pensamentos e não agir de sangue quente.

Voltando ao tema vingança, é normal pensar ou tentar se vingar a todo custo de quem nos prejudica, mas o melhor é ser maduro o bastante para aceitar a situação e tirar proveito como meio de evolução e não entrar em conflito, pois, esse tipo de situação pode ser nociva tanto pra quem comete como pra quem recebe. É como se vocês dessem um murro em uma vidraça com muita força, o vidro quebra e corta a mão, portanto, ficamos sem vidraça e com várias cicatrizes.

O perdão não é concretizado de uma hora para outra, mas sim quando nos sentimentos verdadeiramente capazes de perdoar. Quando isso não acontece, pode ocorrer o efeito bola de neve, isto é, as tristezas e as angústias aumentam com o passar do tempo e cada vez nos tornamos mais amargos e frustrados com as situações e para piorar não nos livramos do sentimento ruim. Ainda aposto que a melhor forma de resolução de problemas é a reflexão e o amadurecimento.

Deixo vocês com a música "Revenge" da Madonna e com muito carinho no coração.

Link da música traduzida