01 agosto 2016

Reflexões sobre gaslighting, dominação e fragilidades.

Olá colegas, amigues e leitorxs!

Hoje venho falar sobre gaslighting, sobre dominação e sobre fraquezas, enfim, estava eu nas “fuçanças internéticas”, quando me deparei com uma frase de Theodore Adorno que me fez refletir muito:

“Serás amado apenas quando puderes mostrar a tua fraqueza, sem provocar nenhuma força...”

Pessoas fiquei pensando muito sobre gaslighting e para quem não sabe o que é, vamos lá:

“Gaslighting ou gas-lighting é uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador ou simplesmente inventadas com a intenção de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade. Casos de gaslighting podem variar da simples negação por parte do agressor de que incidentes abusivos anteriores ou atuais, até a realização de eventos bizarros pelo abusador com a intenção de desorientar a vítima” (Dorpat, T.L. (1994). «On the double whammy and gaslighting». Psychoanalysis & Psychotherapy [S.l.: s.n.] 11 (1): 91–96 e na Wikipédia).

Finalizando as definições, é quando o abusador se utiliza das fragilidades da pessoa para obter o que quer, ou seja, chama de louca, exagerada, faz drama, é só mimimi, desmoraliza a mulher em sua integridade moral e sexual e coloca a sanidade da pessoa em dúvida para reverter à situação em favor do abusador, sendo assim, o agressor conhece muito bem os pontos fracos da vítima e os utiliza totalmente para obter vantagem, sem dó e nem piedade/misericórdia.

Para quem pensa que isso é raro, é só parar para observar situações em que você tem certeza de que estava certa e foi coagida a pensar que tudo não passava de besteira da tua cabeça, exagero, coisa de mulher chata, mas a sensação permanece e piora com o tempo, pois acaba se estendendo a tudo no caso de relacionamentos abusivos, a vítima sente culpa por tudo o que acontece.

Meninas, pensando na frase, me recordei de várias normas masculinas como:

  • Não podem chorar;
  • Tem que ser fortes;
  • São dominadores;
  • Falam pouco;
  • Precisam conter suas emoções;
  • Precisam ser viris;
  • Não podem mostrar suas fraquezas;


Isso demonstra que eles não são educados para mostrar fragilidades, o ponto fraco nem entre eles e quando mostram precisam se defender a ferro e fogo, mas por outro lado, somos educadas a confiar neles, a se entregar às relações de afeto, a se mostrar frágeis, dependentes e com o gaslighting, nos calam e enfraquecem nossa defesa, pois tudo não passa de chororô de mulher louca de TPM (sim TPM é o novo pretinho básico dos abusos).

Além do uso do gaslighting para calar a vítima quando esta tenta se defender, existe o gaslighting também quando precisam de algo da vítima (sexo, limpeza de casa, cuidado com os filhos, dinheiro, etc), pois conhecendo as fragilidades do outro, pode-se também utilizar desse conhecimento para persuadir a outra pessoa a fazer o que deseja.

Quando estamos em um relacionamento afetivo, nós abrimos guarda, entregamos sem perceber nossos pontos fracos e assim facilita muito no gaslighting, sem contar que tais pontos fracos já são de domínio social e isso é mais uma facilidade para nos enganar/persuadir/dominar. Eles não precisam de muito esforço para praticar o gaslighting, que nada mais é que uma forma de maquiavélica de chantagem quase que invisível socialmente, afinal quem quer ser chamada de louca e puta por pessoas que se relaciona seja afetivamente ou no trabalho?


A frase do Adorno diz muito sobre o amor e relações humanas em poucas palavras, esse negócio de morde e assopra, só adoece as pessoas e promove um ambiente de desonestidade e dominação afetiva que por muitas vezes coloca a vítima em um estado de coação e esta acaba enfraquecendo, só para provar para o parceiro/amigos/familiares/chefes que não é nada do que disseram, se sente culpada e sucumbe à chantagem emocional.

Nenhum comentário: