07 janeiro 2014

SEXO: A maior negação da humanidade.

Olá pessoal, tudo bom com vocês?

Hoje venho com um texto novinho em folha, resultado de alguns meses de reflexão sobre o tema, mas chega uma hora que surge a necessidade de transformar em texto e dividir com vocês. Tenho refletido muito sobre sexo, sexualidade, nudez e como isso é visto por algumas pessoas, não digo todas, pois cometeria uma injustiça afirmando tal coisa, portanto consegui entender uma coisa muito bacana disso tudo e essa é a pegada do texto.

Queridos em vários momentos eu observo pessoas falando que o Freud não tem validade, porque tudo para ele é sexualidade, mas a maioria das pessoas não entendem ou acham que entendem sobre Freud e sobre como a psicanálise foi desenvolvida e o modelo psicodinâmico para entender a psique, mas não quero entrar no mérito da questão.

Em vários momentos vejo as pessoas com vergonha de falar sobre sexo genital e negando que as crianças possuem sexualidade, a meu ver é algo natural e parte essencial de nossa natureza primitiva/humana e hoje chego à conclusão que esse bloqueio em falar sobre sexo e sexualidade tem algo em comum com o ato de negar que somos animais, é como se isso nos afastasse de nossa natureza mais primitiva, dentre outras coisas que em sociedade é vergonha, como: arrotar, evacuar, gases.

Atualmente ao mesmo tempo que as mulheres colocam silicone e não amamentam (amamentar é primitivo) , antigamente a prótese era para pessoas que precisavam retirar a mama por adoecimento, hoje em dia existe a inseminação artificial e outros métodos, que a princípio era uma forma de casais inférteis conseguirem ter filhos e hoje em dia fica mais explicito a necessidade de negar o sexo, pois pessoas férteis fazem inseminação artificial, enfim outra negação ao estado primitivo é a cesariana que antigamente era pra partos de risco e atualmente qualquer mulher que tem convênio aqui no Brasil pode marcar a cesárea no momento que decidir, a mulher desacredita da sua capacidade de parir e nega tudo ou melhor o sistema de produção força à descrença em sua capacidade primitiva de parir.

Pessoas aconteceu uma coisa comigo anos atrás e foi um dos momentos mais especiais da minha vida, foi quando me dei conta de que tudo no mundo acaba trombando na sexualidade e no desenvolvimento dela, pra existir humanidade é necessário que um macho e uma fêmea da mesma espécie copulem e daí a barriga cresce, a gente nasce por um órgão genital  e aí o alimento essencial (o colostro e o leite materno) vem de onde mesmo? Do seio da fêmea que deu à luz ao bebê, sendo que o seio é um órgão de prazer genital também, que atualmente é negado também ou turbinado só para virar vitrine.

Bom deixo vocês com essa reflexão e com duas músicas do Ultraje a Rigor, prestem atenção no comentário do Pedro Bial no início.




Nenhum comentário: