30 novembro 2008

Sexo x Telejornais- A televisão sem pé nem cabeça.

Olá caros amigos e leitores.

Essa semana tive o desprazer de assistir a quase todos os programas jornalísticos por um único motivo: saber como anda esse mundo asqueroso e pude notar que nada realmente mudou no mundo e que violência vende melhor que outros assuntos. Tive que me obrigar pois tinha hora que não conseguia mais assistir, pois uma matéria emenda na outra, só falando de ataques terroristas, fraudes, etc.

O ano passado tive o grande prazer de acompanhar a fala em uma jornada da psicóloga Carla Cecarello que apresentava um programa no SBT sobre sexualidade e que deixou de ir ao ar pois pegava mal para emissora um programa desses. Esse programa era o típico programa de sexualidade, as pessoas ligavam e tiravam suas dúvidas com a psicóloga, sendo que inicialmente, o programa era transmitido as 22:15, mas por ordem judicial mudou para mais tarde.

A minha inquietação e de outras pessoas é essa:

Por que todos os dias somos obrigados a assistir telejornais que escorrem sangue e um programa com fins educativos não pode ir ao ar antes das 23:00?

Aposto na ganância, simplesmente pelo fato de que violência vende mais e saúde de menos, existe também o tabu que reina na sociedade que falar de sexo é algo proibido. Enquanto isso o mundo fica doente, as DST/AIDS vão se alastrando e o índice de gravidez precoce aumenta a cada ano por falta de orientação sexual e planejamento familiar. Essas tarefas cabem ao governo, mas como o governo não se preocupa, surgem programas como esses que são proibidos pelo próprio governo.

Quando é liberado em horário nobre, a questão é tratada de forma vulgar e decadente, ou seja, de forma “desinformativa”, mostrando um aspecto artificial do que deveria ser, não sou moralista, mas penso que limites existem, e estes não devem ser extrapolados.

E o beijo gay então? Quando acontece em algum programa vira sensacionalismo, aí mostra nos telejornais a repercussão que isso gerou e aí de praxe mostram pessoas que são contra ou a favor. Na minha opinião que convivo com diversidade sexual muito bem, acho RIDÍCULO, querem causar com um assunto que não deveria nem existir, pois é falta de respeito e de educação com o próximo.

Concluindo meu post: Se tem sangue, drogas, humilhação, vulgaridade, etc, pode passar na TV, mas se é pra educar, proteger a saúde é proibido e pra piorar é feio gente, coisa de pessoas de má índole.

“É que a televisão
Me deixou burro
Muito burro demais
E agora eu vivo
Dentro dessa jaula

Junto dos animais...”

14 novembro 2008

Que ponto G?- Escrito por Maíra Costa Abreu

Desde o começo dos tempos, os homens são machistas, tratando as mulheres que diziam amar como objeto sexual e empregada doméstica.

Graças ao machismo, foi criado o feminismo, onde nós mulheres tivemos o direito de nos defender, nos expressar e diferente do que alguns homens acham, nós não trocamos de papel com vocês e nem queremos esses papéis, apenas fazemos o que vocês sempre oprimiram em nós.

O papel do homem antigamente era de “O Homem da Casa”, onde vocês trabalhavam e nós ficávamos em casa arrumando, lavando, passando e cozinhando. Éramos as “rainhas do lar” e vocês os chefes de família, nós cuidávamos de tudo o que se referia a casa e vocês traziam a comida e querem saber? Cansamos de arrumar a casa, deixar tudo limpo e cheiroso, fazer a janta com amor, carinho e dedicação, para vocês nunca notarem, chegarem muito depois do horário do trabalho, com manchas de batom na camisa, cheiro de perfume de outra mulher, bêbados e ainda por cima, reclamando que não fazemos nada, virar para o lado e dormirem.

O nosso sonho de príncipe encantado se desmoronou e acabamos vendo os lobos maus que são na realidade. Ficávamos nos cantos aos prantos enquanto vocês se divertiam com mulheres profissionais do sexo e enchiam a cara de bebida. Sim, nós víamos isso, mas acabava que íamos levando, por amor a vocês, mas chegou uma hora em que cansamos de sermos tratadas como idiotas e passamos a mão no sutiã e reivindicamos nossos direitos.

A luta não foi fácil, mas ganhamos a admiração, o respeito e a independência de nós mesmas e não, não estávamos pensando em deixar vocês orgulhosos de nós, mas por outro lado, conseguimos uma outra vitória, que foi mostrar e provar para vocês que somos inteligentes, capazes de fazer tudo o que vocês homens fazem e ainda sim cuidar da casa, dos filhos quando chegamos em casa depois de um dia duro de trabalho, ainda temos energia para dar uma noite de prazer ao machista que dorme conosco.

Tornamo-nos individualistas por falta de apoio aos nossos sonhos e procuramos um “lobo mau”, não porque somos cortesãs ou promiscuas, mas a maioria de nós são seguras o bastante ao ponto de escolher nossos parceiros, ou seja, quem merece estar ao nosso lado e não nego que precisamos de carinho, mas não queremos um carinho falso e meticuloso, mas sim, um carinho de desejo e vontade também do outro em estar com nós.


Não estamos fazendo troca de papel e sim pegando uma liberdade de expressão que por muito tempo foi negada a nós e vocês reclamam disso, mas hoje não dariam conta de ser o homem da casa, cuidar da mulher e de ser o garanhão ao mesmo tempo, vocês não têm energia para isso. Se não queriam que fossemos assim, não deveriam ter nos tratado como um objeto de estante e sim como algo muito valioso e deixo uma frase pra vocês pensarem: “chumbo trocado não dói”, se querem princesas em suas vidas, tratem de ser um verdadeiros príncipes encantados.

06 novembro 2008

Igualdade só gera harmonia

Olá caros amigos e leitores.

Fui buscar o tema dessa semana na obra do gênio Francisco Buarque de Holanda, então já sabem, vem musiquinha neste post.

Vou iniciar meu texto com um trecho de Mulheres de Atenas

“Mirem-se no exemplo
daquelas mulheres de Atenas...
Elas não têm gosto ou vontade
Nem defeito, nem qualidade
Têm medo apenas
Não tem sonhos só tem presságios
O seu homem, mares, naufrágios
Lindas sirenas, morenas”

Chico nos guia recorrendo às raízes gregas para deixarmos a guerra dos sexos e nos igualarmos aos homens, sendo que não estou falando em comportamento de homem, mas conseguirmos nos dar certas liberdades que geralmente são reprimidas. Meninos me perdoem, mas vocês, acabam reforçando nosso comportamento reprimido, pois ainda não foram educados, nos novos “moldes”.

Chico Buarque não está dizendo para ser igual às Mulheres de Atenas, mas sim, para fazer diferente, mostrando uma falsa moral. Mulheres para que ficar reprimindo tudo na vida? A vida é uma só, devemos usar essa para felicidade, e não deixar para depois.

Bom voltando ao Chico, pego um trecho da música trocando em miúdos

“Pode guardar as sobras de tudo que chamam lar,
As sombras de tudo que fomos nós,
As marcas do amor em nossos lençóis
As nossas melhores lembranças...
Mas devo dizer que não vou lhe dar
O enorme prazer de me ver chorar
Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago
Meu peito tão dilacerado...
Eu bato o portão sem fazer alarde
Eu levo a carteira de identidade
Uma saideira, muita saudade
E a leve impressão de que já vou tarde”

Vejo uma pessoa cansada e triste de lutar por um amor impossível, mas ao mesmo tempo, vejo coragem nessa música, pois ela ainda vê luz no final do túnel, ainda não desistiu de si, se libertou da moral e dos bons costumes e quando é que nos libertamos? Posso dizer que me libertei faz tempo, e sou muito feliz, posso também dizer que o Brasil é um país muito careta e hipócrita, mostram ao mundo o carnaval vulgar (odeio carnaval) que temos e na prática é tudo diferente. Em geral, vejo e ouço coisas que eu desacredito e quando conseguimos ultrapassar a ideia do machismo, ou vistas como putas ou lésbicas.

Quando somos as chefes de família, o pobre maridinho fica transtornado por que a mulher ganha mais do que ele e homens não gostam de mulher bem resolvida, na verdade penso que isso é insegurança masculina, mas ainda bem que está caindo de moda isso.

O sentimento machista me dá medo, muito medo, pois mulher pensa por um time de futebol, pensa o que o cara vai achar se fizer algo, o que os amigos vão pensar, etc, menos no que ela quer, porque o que ela quer, não tem menor importância perante o que vai ser dito sobre sua “reputação” e que reputação é essa que vale mais do que ser feliz???

Na música Cálice Chico com sua maravilhosa sabedoria diz

“Pai afasta de mim esse cálice...
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra.
Outra realidade menos morta,
Tanta mentira tanta força bruta...
Como é difícil acordar calado...
Quero lançar um grito desumano,
Que é uma maneira de ser escutado.
Esse silencio todo me atordoa.
Atordoado eu permaneço atento ...”

Tudo bem que é um outro contexto, mas acho que cabe bem ao post e finalizo esse texto pedindo que não se calem mais, cuidem de si, sejam mais vocês, a vida fica muito confortável.