20 setembro 2008

“Pra que ficar juntando os pedacinhos do amor que se acabou? Nada vai colar..”.


Hoje vou começar o texto com essa música maravilhosa do Guilherme Arantes, esse trecho me fez refletir sobre relacionamentos fadados ao fracasso, e que por alguns motivos continuam. Penso no sofrimento que esse tipo de relacionamento gera e no tempo e energia que se gasta para manter algo desse tipo.


Detalhe: Não estou julgando essas pessoas de forma alguma, só estou tentando entender como funciona esse tipo de relação.


Primeiramente no início do namoro tudo é maravilhoso, aí passa um tempo de namoro fica mais estabilizado em relacionamentos sadios, mas em alguns relacionamentos o ciúme, inveja, submissão, dependência, etc, são os componentes que mantém a relação. A manutenção desse relacionamento pode ser por vicio, orgulho ou dependência afetiva ou financeira e o orgulho ou insegurança não deixam que chegue ao fim.


Vou pegar outra parte da música “Nada vai trazer de volta a beleza cristalina do começo, e os remendos pegam mal...”, uma coisa que o ser humano tem de gracioso, romântico e ao mesmo tempo imbecil, é a capacidade de achar que tudo um dia vai mudar. Pensam que tudo um dia vai dar certo, e ficam esperando anos e anos essa tal felicidade, que tudo vai voltar a ser divino, maravilhoso, e ao mesmo tempo sabem que isso nunca ocorrerá, pois as promessas de uma vida plena sempre são feitas em conjunto.


Surgem aquelas frases “Vou tentar ser mais calma”, “Vou ter mais paciência contigo”, “Faz tanto tempo que estamos juntos, para que terminar tudo isso? ” e nosso querido Guilherme volta falando “Afinal a gente sofre de teimoso quando esquece do prazer...”, esquecemos mesmo, até eu já cheguei a esquecer, em nome de uma falsa comodidade, é a primeira coisa que abrimos mão e deixamos de lado nossas vontades, desejos, em nome de uma instituição falida.


Acho que relacionamentos também não dependem somente de amor, dependem de companheirismo e respeito. Relacionamentos que só sobrevivem através de brigas catastróficas não valem a pena, não vale a pena deixar de ser feliz.


Termino meu texto pedindo, lembrem-se sempre de que somos seres únicos e individuais, a vida é uma só, afinal só temos essa pra sermos felizes ou tentar levar ela numa boa.


“Adeus também foi feito pra se dizer

Bye Bye, so long, very well”

9 comentários:

Maíra disse...

bom ra... ontem eu cheguei muito tarde e não deu para eu entrar e hoje, acordei muito cedo, e, por isso estou comentando somente agora...
achei seu texto claro e bem desenvolvido.
se as pessoas souberem realmente aquilo que as mantém em um relacionamento e se isso realmente a faz feliz, ela certamente terá um relacionamento saudável e de grande chance para a felicidade.
foi ótimo as passagens das músicas, e sua explicação sobre o assunto dentro da sexologia no relacionamento, foi bem desenvolvida como ja citei.
acho que seu blog tem muito futuro e que mais pessoas precisam entender aquilo que se passa dentro delas e aquilo que realmente querem, e tenho certeza que com a sua ajuda e seus texto ficará mais fácil essa busca e essa compreensão.
desejo-lhe muito sucesso e tenho certeza que terá.
um grande beijo de sua amiga Maíra.

Carla Lopes disse...

Go, Girl! Você foi muito feliz em sua abordagem simples mas bastante clara sobre esse tema tão presente, atual na vida do ser humano.
Aliás, é na medida em que nos humanizamos é que se consegue pensar de verdade sobre isso.
Parabéns, abraços PSi.

Raquel Moretti disse...

Carla muito obrigada
Admitir nossas dificuldades é uma coisa super dificil para qualquer ser humano.Imagina para um casal???
A vida é esta,temos que usufruir o maximo dela. Fica minha pergunta pra ti : quando vamos nos dar o direito da felicidade????

Tiago Pratis disse...

super romantico hein?? ta apaixonada?? hihi... bjus

Raquel Moretti disse...

Tigas, to tão apatica ultimamente, nunca me vi dessa forma.

Fernando da Silva Sauro disse...

Musicalmente falando...utilizo palavras emprestadas:

"Para que mentir
fingir que perdoo
a emoção acabou
que coincidencia é o amor
a nossa música nunca mais tocou

Para que usar de tanta educação
para destilar terceiras intenções
desperdiçando o mel
devagarzinho, flor e flor
entre os meus inimigos,beija-flor"

e só p/ terminar depois do alerta Cazuziano, chamo a Angela Maria p/ conversa:

"Sabes mentir
Hoje sei que tu sabes fingir
Um falso amor
Abrigaste em meu coração

Mas tudo agora acabou
Para mim terminou a ilusão
Hoje esse amor já findou
E afinal para que amar

Sempre a iludir
Tu beijavas com afeição
Sempre a fingir
Uma falsa emoção"

Sempre existe o medo perder alguém se há amor ou um carinho grande, mas o melhor de tudo é a sinceridade e a toalha limpa... o fim sempre é doloroso, mas passa 3 dias e a pessoa para e pensa no mal que estaria fazendo p/ outra pessoa e pensa... bauummm tamémmm, rs. Parabéns Raquel, aceitar o fim de uma relação para uns é quase impossível e por isso a frustração fica instalada no coração e a pessoa se torna amarga. Continue escrevendo mais que nóiz lê daki, bjo.

Raquel Moretti disse...

Fernando da Silva Sauro te respondo de forma musical também, mas uso palavras do grande mestre supremo Chico Buarque de Hollanda.
"Já conheço os passos dessa estrada, sei que não vai dar em nada teus segredos sei de cor.
Já conheço as pedras do caminho e sei também que ali sozinho eu vou ficar, tanto pior. O que é que posso contra o encanto, desse amor que eu nego tanto"
Que coisa doentia isso do Chico eim??? Gasta-se muita energia.
Não digo amargura, mas sim apatia, como disse ao meu querido Tigas.A vida vai massacrando tanto, que vc se torna apatico, aprende a não cair em armadilhas mentais. E realmente depois de 3 dias tudo fica muito gostosinho por dentro, mas isso é comigo colega, eu tenho estrutura pra isso, já caiu um meteoro na minha cabeça kkkkkkkk
Muito obrigada pelos elogios, entre sempre, a casa é sua.

Branca disse...

Sua postagem ja faz alguns anos, mas está mais atual do que nunca. A dificuldade das pessoas não é ter conciência que acabou e sim agir com a conciência e aceitar que acabou.

Maria Raquel Moretti Pires disse...

Branca acho que esse texto aqui tá mais completo http://psicodoamor.blogspot.com/2009/12/o-que-se-ganha-em-se-perderum-reflexao.html
e esse é sobre a nossa capacidade lúdica http://psicodoamor.blogspot.com/2010/07/sobre-o-brincar-porque-nao.html