16 agosto 2008

Meu primeiro post

Para iniciar meus textos, decidi expor um assunto comum aos seres humanos, ou seja, o tão desejado amor. Ultimamente, venho questionando a veracidade de sentimentos, pois, a cada dia que passa, acredito menos nessa palavra, aposto mais na palavra comodidade.

Geralmente, quando nos apaixonamos, nossos corpos reagem de forma entorpecida, o cérebro fica inundado de endorfina, é como se fosse uma droga. Depois de um período, tempo o bastante para ocorrer fertilização, o corpo não reage mais como no início da relação e é ai que mora a minha pergunta:

Será que a maioria dos relacionamentos continuam verdadeiros ou são de faixada??

Aposto novamente na comodidade, pois há também o fator habitual, nos acostumamos com a companhia do ser amado, se torna difícil a mudança de hábito, e em alguns casos, o medo da solidão.

E os homens? Apaixonam-se? Só se apegam ao desejo? Só querem saber de sexo?

Acredito que sim para todas as perguntas, sabem porque? Se apaixonam pela possibilidade de desejar e fazer sexo em um primeiro momento, querem possuir o objeto desejado, depois de um tempo se há química continuam no relacionamento, e se essa se esgota, pulam fora.

E depois que passa o "efeito-amor"? Porque alguns casais continuam juntos, e em alguns casos acabam se casando?

Meus amigos, esta talvez seja uma das questões mais difíceis, mas vou tentar chegar a poucas possibilidades, pois o ser humano, é um bicho muito complexo e interesseiro. Ao meu ver, existem vários tipos de relacionamentos, então vou me basear nos que eu tenho um contato maior.

Algumas amigas e amigos solteiros, sonham com o ser perfeito, que caiba num padrão certo, os casais nem sempre estão felizes com seus pares, mas sempre quando ouço queixas, vejo um toque de movimentação nisso. Quando o relacionamento é muito estável, não gostamos, pois não há luta, não há dança, então o amor morre. Sempre há um quê de controvérsia no amor, e é isto que justamente mantém os relacionamentos.

Porém se o casal segue o fluxo normal, amadurecendo em conjunto, com brigas e alegrias, cria-se um vínculo forte, uma necessidade de união, e assim surgem os casamentos e as famílias.

Quando um dos dois é submisso ao outro, morre o relacionamento, ambos se tornam irmãos ou pessoas acomodadas.

2 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
sheila disse...

Oi Sofia,
Sou amiga da Raquel ela quem me indicou seu blog.
Pensar o amor, sentimento tão lindamente descrito pelos poetas de forma científica chega a ser quase um insulto aos românticos. Mas não podemos negar o q a ciência já comprovou...
Ah!!! as endorfinas, adrenalinas e ou qualquer outra ina liberada qdo estamos apaixonadas... é muito bom!!
Concordo com vc sobre a necessidade dos conflitos nas relações. Qdo um casal diz q nunca briga, discute pode saber: um dos dois está se anulando e aceitando tudo de bom e de ruim q o parceiro faz!!!
Parabéns pelo blog!